UNIVERSO DAS COISINHAS

23.5.06

OS MUTANTES MUTARAM


Exemplo para os brasileiros: Morrissey cruzou as pernas, sacodiu o topete, arqueou a sobrancelha e disse, "um revival dos Smiths seria como voltar para a casa dos pais. Eu prefiro comer os próprios testículos" - quando se lembrou de que alguns fãs já os tinham levado desde 1988.
*
Há uma semana escrevi um texto relatando um pequeno episódio de violência presenciado na Madalena e que acabou em morte, e até saiu nos jornais e, como tal, já datou. Portanto, aqui segue outro texto, mais fresquinho e mais fresco: a separação de Paul McCartney. Eu sei que Paul tá lá na puta que o pariu e nem desconfia da minha radiante existência e minha inócua preocupação a respeito dele, mas gostaria de dizer que torço por você, Paul. Como todos sabem, o nosso Sir comeu o pão amassado pelo Cão quando Linda partiu desta. Segundo Heather, de quem ele se separa agora, o homem passou seis meses chorando, dia e noite (apesar do bafafá em torno de John e Yoko, Paul e Linda eram muito mais casal 20 do que os primeiros. Sempre estiveram juntos, enquanto os mais badalados chegaram a se separar e até a se aventurar com outras pessoas). Paul argumentou, há uma semana, que a separação de Heather foi motivada pela invasão de privacidade da imprensa. Nos poupe, Pou. Isso aconteceu muito mais na época de Linda, e, mesmo assim, foram 30 anos colados. O que você deveria ter feito era ter desconfiado do fato de Heather ter dito que nunca tinha escutado Beatles. Nos poupe, mais uma vez. Aonde essa mulher estava? O mesmo caso se deu com John. Yoko, quando conheceu o nosso João Lemos, jurou que nunca tinha escutado Beatles. Talvez isso explique o fato dessas mulheres terem conseguido manter um relacionamento com John Lennon e Paul McCartney e não terem tido um ataque histérico a cada manhã. O certo agora é que nosso Macca está só - como diriam os jornais, “está solteiro”. Mas nós sabemos que não se trata mais daquele garotinho genial dos anos sessenta, Paul agora passa dos sessenta e será, daqui a poucos anos, um velhinho, e não há botox, cirurgia plástica, tintura ou cremes mirabolantes que possam dizer o contrário. Vamos torcer para que esse rapaz encontre alguém que lhe inspire e que, no meio da noite, segure sua mão.
***
Convenhamos, se o mundo conseguiu sobreviver a uma não “volta” dos Beatles, pode passar muito bem sem a dos Mutantes, não é? Essa história do show revival é, convenhamos, mais uma vez, uma palhaçada, principalmente pelo “elemento Zélia Duncan”. Como todos sabem, Zélia Duncan pode ser gente-fina e tal, mas é uma chata no palco, em disco, em DVD e fita-cassete. A graça do grupo era Rita Lee, que, no auge da juventude e da beleza, transpirava, com ar inglês, o comportamento, o estilo, a aura dos anos sessenta. Arnaldo Baptista poderia ser o gênio, mas Rita Lee (que ainda garotinha conseguiu ficar cara a cara com o ex-beatle supracitado e desquitado) tinha o talento, o humor, o carisma necessário para dar credibilidade àquelas músicas. Vejamos o caso de Fernanda Takai. Quando o Pato Fu era uma coisa meio Mutantes e não Super Furry Animals, a mulher do John brasileiro não conseguia interpretar com escracho as canções, sendo apenas bonitinha, fofinha, com sua voz aveludada e jeito de menina. Pois bem, pelo que soube nos jornais, Beck e David Bowie reservaram vaga nesse show da “volta dos Mutantes” e é bom que alguém os avise que vão encontrar pela frente um pedante, uma insossa e um doido. Tive a felicidade e a infelicidade de entrevistar Arnaldo Baptista para o show que ele fez com Lobão no Abril Pro Rock, em 2001 (acho). E foi muito triste falar com uma pessoa praticamente incapacitada. Quase tudo o que eu perguntava, ele interrompia para buscar a resposta ou a opinião da esposa, que parecia ser mais louca do que ele (vamos nos lembrar que Arnaldo terminou de endoidar a partir de uma tentativa de suicídio, praticada depois que Rita pediu o divórcio. Ela partiu para uma bem-sucedida carreira-solo, achando graça demais no que fazia e enchendo o nosso saco com coisas como “Baila Comigo” e “Amor é Prosa, Sexo é Poesia”, e dando uma de Mick Jagger no palco, e ele...). Essa história de revival dos Mutantes poderia até passar em branco, se os Mutantes não fosse a melhor banda de rock que o Brasil já teve. Isso me lembrou agora a Cachorro Grande e sua tentativa de soar “de fora”. Por exemplo, essa música Sinceramente, que está tocando na MTV, apesar de pretender ser beatleniana, tá mais pra Guilherme Arantes. E quer saber? Eu sou mais Guilherme Arantes do que a Cachorro Grande! “Pegar carona nessa cauda do cometa, ver a via-Láctea, estrada tão bonita...”

8.5.06


Todas, um dia, serão loiras.
*
Com tantas bandas e músicas lançadas a cada segundo, não sei qual o problema dos disc jóqueis brasileiros com Sacrifice, de Elton John. Quase toda semana nos ônibus escuto o hit de 1900 e... Isso em, pelo menos, três de cinco viagens de coletivo, Elton ta lá “Cold, cold heart, hard done by you”. Quando não é isto, é Sultans of Swing ou Girl, You’ll be a woman soon. Puta que o pariu. Qual o sentido das rádios?
*
Você acredita no novo disco do Mombojó? O primeiro comprei na loja, fazendo o maior gosto, botando a maior fé, acreditando no hype. Escutei uma vez, outra, tentei me matar, aí parei. Então quando leio que o grupo está lançado novo disco e é o que há de melhor na nova geração da música pernambucana, penso nos bons tempos em que Luiz Gonzaga e Alceu Valença estavam vivos.
*
Por falar nisso, dia desses, Gugu, o ex-queridinho do Sílvio, reprisou pela septuagésima sétima vez a aparição dos Mamonas Assassinas em seu programa, aquela em que eles aparecem vestidos de presidiários. O que nos leva a ponderar que se uma pessoa só dispõe de um canal aberto numa tarde de domingo tem todo o direito de enfiar uma bala na cabeça de Gugu (ou na própria) no momento em que se passa pela septuagésima sétima vez uma reprise dos Mamonas Assassinas, apesar dos Mamonas Assassinas terem sido infinitamente superior ao rock nacional que está sendo feito na atualidade, e isso inclui e começa com Dinho Ouro Preto, o que nos leva a ponderar mais uma vez sobre happiness ser uma warm gun.
*
Por falar em rock nacional, a MTV. Ultimamente voltei a assistir o canal e o que vejo? Uma banda com um cara que é a cara de Theddy Alguma Coisa, do Nenhum de Nós, fazendo uma versão meio ska fofa-bosta para Minha Menina, de Jorge Ben, no momento em que o mundo não precisa de mais uma versão de Minha Menina.
*
Por falar nisso, nunca mais fui pras festinhas descoladas, principalmente as de Olinda, então, por favor, alguém pode dizer se ainda insistem em botar Minha Menina, versão do autor, pra tocar?
*
Por falar em MTV, o que são aquelas duas VJs assanhadas (de cabelo assanhado mesmo) que apresentam o Disk MTV?! E com três programas vistos, já posso dizer que não agüento mais olhar pra cara da filha de Marina Person. Aí, se alguém pergunta, “por onde anda Fábio Massari?”, corre o risco de ser chamado de saudosista ou de velho metido.
*
Parece que o destino de toda mulher é ser mesmo loira. Na TV, vemos que da finada ruiva Rita Hayworth a ex-castanho escuro Madonna todas “são”. Recentemente, as morenas Glória e Cléo Pires entraram na lista. Carolina Dieckman está quase de cabelo branco, Beyoncé segue loiríssima, e Mariah Carey, com os peitos não cabendo mais nos decotes, continua a não saber se é morena ou loira. Enquanto isso, conto os dias para dar holofotes no meu cabelo e angariar os louros.
*
Por falar em Madonna, alguém sabe dizer se tinha alguma alma penada na tenda onde Seu Jorge fez o show no Coachella? Pelo que sei, o “homem que não sabe parar de te olhar” tocou no mesmo horário da diva. Por mais que Seu Jorge tenha nos decepcionado nos últimos anos, ele, nem ninguém, merece isso.
*
“O cu da mãe...”, canta Cindy Lauper em...
http://cognatas.dromma.org/
*
Aí, comprei no Carrefour um documentário sobre o White Stripes por R$ 9,90. Quando coloco no DVD, vejo o aviso: “Este documentário não foi autorizado pela banda, nem pela gravadora e nem tem músicas do White Stripes”. O bom é que eu tinha comprado, pelo mesmo preço, um outro documentário sobre Bruce Springsteen! E quando fui assistir vejo o mesmo aviso nos créditos iniciais! Não é ótimo?!